You Talkin' To Me?

Quaresma. “Jogavas a bola no Barbosa e estava ganho”

04/27/2020
Tovar FC

author:

Quaresma. “Jogavas a bola no Barbosa e estava ganho”

É um texto pré-pandemia. O Sporting ganha sem espinhas ao Istambul BB, em Alvalade, para a Liga Europa. Três-um até é pouco para tantas oportunidades perdidas. A ressaca é um bife no Império, ali na Alameda. Ao problema crónico das batatas fritas congeladas (porquê? porquê?), responde o molho invariavelmente delicioso. De comer e chorar por mais. De repente, entram oito pessoas, uma delas vestida à Sporting 2001-02. Nas costas, o 20 de Quaresma. É um sonho, um regresso ao passado. Saco do telemóvel e tiro uma fotografia, sem autorização (culpado, bem sei). Envio ao Quaresma no dia seguinte e a resposta é quase instântanea ‘Porra, saudades desse tempo, amigo’.

Quaresma, o homem de quem se fala

Começo a percorrer o Sporting 2001-02 de fio a pavio. Por posição. Por estatuto. Por reforços. Por titulares. Por suplentes. Por idades. E a conclusão é sempre a mesma: Quaresma é o único jogador utilizado por Bölöni ainda no activo. Great scott. Isto vale mais que uma troca de whatsapp, vale é uma chamada telefónica. E a confirmação pela enésima vez de que Quaresma é o rei do pagode. Se dúvidas houvesse, nada como rever a final do Euro-2016. Aos 19 minutos e 51 segundos, Giroud ameaça um ataque e ultrapassa o meio-campo português. Pepe, sem demoras, manda um charuto para as couves. A câmara segue, segue, segue a bola até cair junto à linha lateral, no outro lado do campo. Algum artista com colete de suplente amansa a fera e domina-a como ninguém. É ele, Quaresma. Excepção feita o golo do Éder, eis o momento delicatessen da final. Que classe.

A primeira tentativa para falarmos é neutralizada às três e meia da tarde. “Amigo, estou aqui a fazer os trabalhos da escola com os miúdos 😊 😊 😊 liga-me amanhã a esta hora e falamos sem problema.” Meu dito, meu feito. Passam-se 24 horas e Quaresma atende-nos com a categoria que se lhe reconhece.

Bom dia, tudo bem?

Bom dia? Só se for aí, aquilo já estou a jantar, ahahahah.

Lembras-te daquela foto que te enviei de um senhor com a camisola do Sporting?

Claro, como esquecer? Maravilhoso, é do tempo em que eu ainda jogava à bola, ahahahahahah.

Já lá vão 18 anos.

É muito tempo, já aconteceram tantas coisas.

O que te diz esse Sporting?

Tanta tanta tanta coisa. Porque sou da casa, fui muito novo para o Sporting, aos 8/9 anos, juntamente com o meu irmão mais velho. Vivi muito.

Tinhas ídolo?

Sempre foi o Figo. E via-o muitas vezes a sair pela mítica porta 10-A. A malta da formação, como eu, esperava ansiosamente pelos craques e a viagem deles até aos carros. Aquilo era tudo ao molho, nós, os miúdos da formação, e os adeptos. Todos juntos para falar com este ou aquele. Havia quem quisesse um autógrafo, outros queriam trocar umas palavras e uns só queriam mesmo vê-los em acção, para estudar o seu comportamento.

E tu?

Sonhava, como qualquer um. Via Figo, Paulo Sousa, Balakov e pensava ‘será que um dia irei chegar aqui?’.

E então?

Sempre meti na cabeça que ia chegar, sempre gostei de desafios e esse desafio é um dos grandes. Graças a Deus, cheguei.

E para chegar a esse estatuto?

Trabalhar, trabalhar e trabalhar. Fosse a ganhar ou a perder, a vontade estava lá. Joguei em todos os escalões e, nas horas vagas, era apanha-bolas. Lembro-me perfeitamente de uma bomboca do Roberto Carlos ao Schmeichel na Liga dos Campeões 2000-01, estava atrás dessa baliza.

Um ano depois, já jogas nessa equipa.

Caí num plantel fantástico, que me acolheu como um filho e deu-me tudo o que um jovem como eu precisava: confiança. E, atenção, levava as minhas duras de vez em quando. A minha cena era inventar em sítios que não devia e eles chamavam-me à atenção.

E tu, na boa?

O mais importante para um jovem é saber oivor e respeitar. E eu sempre soube respeitar aqueles que me chavamam a atenção, porque respeitava-os pelos nomes e pelas carreiras alcançadas. Depois há o factor Bölöni.

Pois, imagino.

Foi o treinador mais importante da minha vida, porque veio de um país nada a ver com o nosso e apostou em mim, um miúdo saído dos juniores. Ainda me lembro do primeiro treino, no Estádio José Alvalade.

Porquê?

Acabou o treino e todos foram para o balneário, menos eu.

Aiiiii.

O Bölöni começou a chutar bolas para todo o lado e mandou-me apanhá-las todas. Pensei ‘este gajo está a broncar comigo pá’. Foram dizer-lhe que eu era um miúdo traquina e rebelde e ele quis pôr ali calma naquilo tudo. Ao longo da época, ele percebeu que eu não era aquilo tudo que lhe tinham contado.

E o plantel, quem destacarias?

Um jogador que nunca entendi o porquê de não ter voos mais altos foi o Barbosa. Além de ser um grande capitão, nunca me tratou como um miúdo, sempre me tratou de igual para igual. Sempre deu-me bons conselhos. Quando era para dar duras, ele dava as duras, mas sempre foi igual para toda a gente. A primeira vez que treinei na equipa principal e vi o Barbosa fiquei admirado. Disse para mim mesmo ‘que craque’. E fui admirando o Barbosa cada vez mais ao longo das duas épocas. Admiro-o pelo toque de bola e admiro-o pela personalidade. Há poucos no futebol como ele. Depois, era um jogador que se destacava dos demais nos jogos grandes. Jogavas no Barbosa e tinhas o jogo ganho. Repito-me: um talento nacional como o Barbosa há poucos.

E o JVP?

O João também era fantástico. Éramos todos, não é? Até eu, ahahahahahahahah. Agora a sério, o João fazia desmarcações incríveis, movia-se cá com uma facilidade.

Na frente, plantado na área, Jardel.

O matador. Cada bola na área era golo, não dava hipótese. Nos treinos, a mesma coisa. Às vezes, ninguém sabia como é que fazia aquilo. Vê bem, às vezes, a bola batia no poste e ia ter com ele. Dentro da área, dos melhores que vi.

Mais atrás, a dupla Bento.

Paulo e Rui eram incríveis, davam uma segurança enorme porque eram inteligentes a ler o jogo e uns animais do ponto de vista físico. Ouvia-os a falar dentro de campo e já eram professores, treinadores, sabes? Diziam-me faz isto, faz aquilo, não avances agora, fica aí a prender o lateral e coisas dessas. Depois, ainda tinha o Viana, que tocava mais na bola, e o Toñito, sempre rápido e habilidoso.

Na defesa

Havia defesas com muita qualidade. O Rui Jorge nem parecia lateral-esquerdo. A sua qualidade era incrível, podia jogar à vontade mais à frente, sabia sempre o que fazer com a bola. No outro lado, Beto ou César Prates. No meio, Babb e André Cruz. Tudo jogadores a sério e pessoas fantásticas. Mais atrás, o Nélson dava-nos uma segurança enorme. É a ressaca do Schmeichel e o Nélson cumpre o papel na perfeição.

Tens jogos irrepetíveis. Lembro-me do 4-0 ao Varzim.

Marquei de trivela e ainda fiz as três assistências para os outros golos. Lká está: era mais novo, ainda era craque. Ahahahahah.

E o presidente Dias da Cunha era activo?

Era, pá. Estávamos todos ligados, por isso é que 2002 foi um ano irrepetível: campeonato, Taça de Portugal e Supertaça. Sinceramente, esse jogo da Supertaça com o Leixões no Bonfim foi o maior orgulho que tive porque fui capitão de equipa [na sequência da expulsão de Beto, ainda na primeira parte] e levantei a taça. Naquela altura, só conhecia o Sporting e ser o capitão aos 18 anos é significativo. No Verão seguinte, saio para o Barcelona e só não volto para o Sporting por coisas que agora nem vale a pena estar a falar. Era o meu clube do coração. E queria muito voltar. Não deu, paciência. Ficou esse ano de 2002 para a história, a minha e a do Sporting.

One Comment
  1. Nuno Caetano

    Fogo! Esse jogo do Varzim...se fechar os olhos parece que ainda estou a ver a trivelada do Quaresma! Bons velhos tempos! Pena o Quaresma não ter regressado ao Sporting...o Sporting nisto dos regressos dos jogadores da formação é um bocado "padrasto"...

Leave a comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *